Skip to main content
Tratamento dentário em crianças diminui 89% na pandemia e especialista faz alerta

Tratamento dentário em crianças diminui 89% na pandemia e especialista faz alerta

O tratamento dental de crianças teve uma queda considerável durante a pandemia do novo coronavírus. Após o registro do primeiro caso, a redução foi de 66% nos procedimentos odontológicos infantis, alcançando 89% na fase mais aguda da pandemia no Brasil, em abril. A odontopediatra Ana Carla Robatto faz um alerta sobre a importância do cuidado com a saúde bucal e a ida regular em um dentista.

“Nos consultórios a gente tem observado muito tártaro difícil de remover. O dentista é apenas um mediador do processo de saúde bucal, que a gente recomenda é que o paciente se cuide sempre, o autocuidado é o mais importante”, disse em entrevista nesta terça-feira, 6, ao programa ‘Isso é Bahia’, da rádio A TARDE FM.

“Nesse processo, se existe um receio ou uma diminuição da ida, se cuidem, façam a sua parte, porque isso vai diminuir a incidência de doenças e de cáries”, completa. Essa queda nos atendimentos se deu pelo distanciamento social e pelas orientações de autoridades de saúde de reduzir as atividades como forma de evitar riscos de contágio, reduzindo esses procedimentos àqueles de urgência e emergência.

A análise foi feita por pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas e publicada como artigo no periódico científico International Journal of Paediatric Detistry no fim de 2020. Os autores avaliaram dados de procedimentos odontológicos promovidos no âmbito do Sistema Único de Saúde, como extrações e restaurações, no período de janeiro a maio. A queda dos tratamentos odontológicos em crianças foi mais intensa no Nordeste.

A cirurgiã-dentista e professora da Universidade Federal da Bahia explica ainda que os cuidados por parte das clinicas e consultórios para impedir a disseminação do coronavírus são intensos. “A biossegurança, que é a segurança biológica, sempre foi um tema muito estudado e executado por dentistas”, explica.

“Você não consegue imaginar um dentista sem toda aquela paramentação, hoje a gente tem ainda um plus, uma máscara mais eficiente, um escudo facial. Mas mesmo antes disso a segurança biológica sempre foi executada pela categoria”, completa.

“A biossegurança, que é a segurança biológica, sempre foi um tema muito estudado e executado por dentistas. Você não consegue imaginar um dentista sem toda aquela paramentação, hoje a gente tem ainda um plus, uma máscara mais eficiente, um escudo facial. Mas mesmo antes disso a segurança biológica sempre foi executada pela categoria”, explica.

“A gente preconiza a abertura de janelas, o uso de outra sala para que o aerossol pouse e faça a higienização das superfícies”, conta. “

Os pacientes são estimulados a dar prosseguimento aos cuidados ao chegarem em casa após a consulta odontológica. Entre as dicas, estão: não tocar em nada antes de se higienizar; retirar os sapatos na entrada; higienizar celular e óculos com álcool 70%.

Além de colocar as roupas em uma sacola dentro do cesto de roupa suja ou diretamente na máquina para lavar; tomar banho assim que chegar em casa e manter a higiene bucal diária em dia, por meio da escovação dental e uso diário de fio dental.

“Os prejuízos da negligência para com a saúde bucal são imensuráveis. Precisamos continuar nos protegendo contra a Covid-19 sem, no entanto, esquecer de que as outras doenças, inclusive aquelas que afetam a boca e os dentes, não deixaram de existir e precisam ser prevenidas e tratadas”, concluiu Ana Carla Robatto.